REGISTRO DE DENÚNCIA

POR FAVOR PREENCHA OS CAMPOS ABAIXO

COMPARTILHE

Fazendas do Vale do São Francisco conquistaram
certificação nos últimos meses. Tendência de crescimento se mantém para a
próxima safra, afirma Imaflora.


Nos últimos meses, 17 empreendimentos produtores de manga
da região do Vale do São Francisco conquistaram a certificação socioambiental
Rainforest Alliance™. Foram os primeiros casos de certificação socioambiental
da fruta no Brasil. E a tendência de crescimento se mantém: a velocidade com
que os pedidos de auditoria para novos certificados está acontecendo indica que
o mercado ainda tem muito fôlego.
O movimento é explicado pela demanda dos compradores
alemães de frutas in natura pelo selo que atesta o cumprimento da norma, que
prevê requisitos sociais e ambientais, como não desmatar, comprovar que a
gestão ambiental do empreendimento assegura a biodiversidade local, que a água
e o solo serão conservados e livres de contaminação, que as águas residuais e o
lixo foram descartados corretamente e que o empreendimento fornece condições de
saúde e segurança para os trabalhadores.
O Imaflora (Instituto de Manejo e Certificação Florestal
e Agrícola), organização não governamental, brasileira, responsável pela aplicação
das normas da Rainforest Alliance™ em campo, auditou as fazendas e chama a
atenção para dois pontos em especial: o alerta para desmatamento na caatinga e
a melhoria das condições de trabalho. “Os empreendimentos estão avaliando as
áreas de expansão para suas atividades com olhar voltado para evitar o
desmate”, diz Tharic Galuchi, coordenador de certificação agrícola do Imaflora.
Ele lembra que o cultivo da manga emprega um número
grande de trabalhadores, já que a colheita não é mecanizável. No caso dos 17
novos empreendimentos certificados, são mais de seis mil trabalhadores sob
influência da certificação. “Os requisitos sociais preveem a aplicação de
normas rígidas sobre segurança no trabalho, acesso à saúde, a jornadas
limitadas de trabalho, registro em carteira e benefícios à família do
trabalhador, inclusive quando são temporários”, lembra Tharic.
Ao todo, a certificação dos empreendimentos de manga
abrange mais de 9 mil e 800 hectares do semiárido brasileiro. O Imaflora é
responsável pela certificação de 2 mil e 300 hectares e, com a entrada dos 17
empreendimentos, a certificação Rainforest Alliance™ estende-se a 37 mil e 300
hectares e a 10 mil trabalhadores diretos, que cultivam mamão, melão, melancia,
maracujá, banana, uva e manga.
Sobre o Imaflora
O Imaflora é uma Organização Não Governamental, sem fins
lucrativos, que trabalha para promover a conservação e o uso sustentável dos
recursos naturais e para gerar benefícios sociais nos setores florestal e
agropecuário. Com atuação nacional e participação em fóruns internacionais, foi
fundado em 1995 e tem sede em Piracicaba, interior de São Paulo. Saiba mais em
www.imaflora.org

Compradores alemães impulsionam certificação socioambiental da manga na Caatinga

Compartilhar

Envie seu comentário