REGISTRO DE DENÚNCIA

POR FAVOR PREENCHA OS CAMPOS ABAIXO

COMPARTILHE

 Flona de Altamira terá
concessão florestal

Área está situada no estado do Pará, em três florestas nacionais da região
de influência da BR-163. Nesta terça, 27/8, foi publicado o edital para a Flona
de Altamira

Mais de 1 milhão de hectares na Floresta Amazônica estão disponíveis para a
produção de madeira de forma legal e sustentável por meio de um conjunto de
editais de concessão publicados pelo Serviço Florestal Brasileiro (SFB).
O mais recente deles foi lançado
na terça-feira, 27/8, e abrangerá uma área de cerca de 360 mil hectares na
Floresta Nacional (Flona) de Altamira, situada no município de mesmo nome. Além
desse, também estão abertos editais para as flonas do Crepori e do Amana, que
somam 740 mil hectares.
Essas áreas se localizam na
região de influência da BR-163 (rodovia Cuiabá-Santarém), no Pará, onde o SFB
busca promover uma economia florestal de base sustentável. Além de gerar
madeira legal, cuja origem poderá ser rastreada, as concessões fomentarão empregos
formais, investimentos e aumento de arrecadação local.
“Esses editais representam um
avanço sem precedentes para o ordenamento da atividade madeireira no oeste do
Pará e uma importante iniciativa para o desenvolvimento econômico e social da
região”, afirma o diretor de Concessão Florestal e Monitoramento do SFB, Marcus
Vinicius Alves.
Com esta iniciativa, as
empresas do setor madeireiro têm a oportunidade de obter acesso a florestas
para garantir matéria-prima no longo prazo – os contratos de concessão são de
40 anos – e assim, estabelecer plantas industriais, fixando-se na região.
Altamira

O lote de concessão de 360 mil hectares na Flona de Altamira está dividido em
cinco unidades de manejo florestal (UMF) capazes de atender empresas de pequeno
a grande porte: de 39 mil, 98 mil, 111 mil e 113 mil hectares. Cada uma gera um
contrato de concessão com o SFB. Somado, o potencial de produção nessas áreas é
de 177 mil metros cúbicos de madeira por ano.
Para se tornar concessionário,
o interessado deve participar de uma concorrência pública. A fim de estimular
essas empresas a adotarem as melhores práticas técnicas e gerenciais em suas
operações, o SFB avalia os concorrentes por meio de critérios como adoção de
inovações técnicas e tecnológicas associadas ao manejo florestal.
São duas as propostas que os
candidatos devem encaminhar ao SFB. Uma é a proposta técnica, composta por
quatro critérios, que incluem, além do mencionado acima, a implantação de
sistema de gestão e desempenho de qualidade das operações florestais, o grau de
processamento local do produto e os investimentos para a comunidade local.
Já na proposta de preço, o
interessado diz quanto pagará pelo metro cúbico da madeira extraída. Os preços
mínimos variam conforme a UMF e vão de R$ 21,00 a R$ 42,00. Para calculá-lo, o
SFB considerou principalmente a logística para escoamento da produção e os
custos do concessionário.
O edital está disponível
no site do
SFB. O prazo para envio das propostas é 12 de março de 2014.
Contato para a imprensa

Serviço Florestal Brasileiro

Assessoria de Comunicação

(61) 2028-7130/ 7293 /7125/ 7277
[email protected]
FONTE: Serviço Florestal Brasileiro 

 
Editais abertos de concessão trazem mais de 1 milhão de hectares para o manejo florestal na Amazônia
Imaflora

Imaflora

Compartilhar

Envie seu comentário