COMPARTILHE

Imaflora inicia novos projetos de fortalecimento da agricultura familiar em São Félix do Xingu, no Pará

22/03/2021

Autor(a): Imaflora

O Instituto de Manejo e Certificação Agrícola e Florestal (Imaflora) atua, há 26 anos, promovendo o desenvolvimento sustentável em diversas regiões e biomas do Brasil, com foco específico no fortalecimento da agricultura familiar de cadeias agroflorestais. Com forte atuação em territórios, o instituto - com sede em Piracicaba, no interior de São Paulo - conta com dois escritórios regionais no estado do Pará, em Alter do Chão e São Félix do Xingu.

O município de São Félix do Xingu, em especial, ficou famoso pelo alto índice de desmatamento e pela elevada quantidade de criação de bovinos, fatores que o colocaram no topo da lista de cidades com maior índice de emissões de gases de feito estufa, segundo dados do Sistema de Estimativas de Emissões de Gases de Efeito Estufa (SEEG). Cortado pelo extenso e exuberante rio Xingu, ainda abriga um resistente fragmento da Floresta Amazônica e uma alta diversidade de habitantes, oriundos das mais diferentes regiões do país. Diante desse cenário desafiador, o Imaflora, desde 2012 atua na região desenvolvendo diferentes projetos como estratégia para mitigar as adversidades, abrangendo temas relacionados à agricultura familiar, como por exemplo, as boas práticas agrícolas como a diversificação da produção, educação do campo, certificação, empoderamento feminino e gestão de Cooperativas e Associações.

A implementação dos projetos apoia a manutenção da sociobiodiversidade amazônica e possibilita aos principais sujeitos a permanência na floresta de forma economicamente sustentável. Os projetos e ações liderados pelo Imaflora no Município fazem parte do Programa Florestas de Valor e envolvem produtores familiares ligados principalmente a três entidades do Município: Associação de Mulheres Produtoras de Polpa de Frutas (AMPPF), Cooperativa Alternativa Mista dos Pequenos Produtores do Alto Xingu (CAMPPAX) e a Casa Familiar Rural (CFR).

Diante de um cenário de adversidades impostas pela pandemia da Covid-19, e entendendo que a demanda por apoio não pode parar, o Imaflora está iniciando quatro novos projetos e parcerias na região. São eles:

- O projeto Carimbó Antroposófico, em parceria com o Instituto Mahle;

- A “Escola de Empreendedorismo das Mulheres do Alto Xingu”, viabilizada pelo Fundo Global da Cargill;

- O programa Act for Amazônia”, resultado da parceria com o Instituto Beraca;

- E as ações de Fortalecimento e Transparência das Cadeias da Carne e Cacau, que conta com o apoio do Instituto Clima e Sociedade (ICS);

Os novos apoiadores passam a somar esforços ao lado Instituto Humanize, Fundo Amazônia/BNDES e Petrobras no alcance de resultados fundamentais para a melhoria da qualidade de vida das comunidades locais e para a conservação dos ecossistemas locais.

Como resultado destas ações, espera-se alcançar nos próximos três anos os seguintes resultados:

- Implantação de mais de 150 hectares de sistemas agroflorestais regenerativos;

- Reforma e adequação de uma unidade de beneficiamento de polpa de frutas para o grupo de mulheres empreendedoras;

- Suporte técnico para mais de 150 produtores e produtoras de cacau;

- Suporte técnico e adequação da infraestrutura da Casa Familiar Rural (CFR) de São Felix do Xingu, beneficiando ao ano mais de 60 jovens filhos de agricultores de toda a região;

- Apoio à gestão das organizações, incluindo CAMPPAX;

- Modelos alternativos de fertilização do solo através de biofertilizantes;

- Fortalecimento do comércio local dos produtos da agricultura familiar.

Vale destacar, também, que as ações no território contam com uma grande rede de parceiros locais, entre eles: Comissão Pastoral da Terra (CPT), Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Estado do Pará (Ideflor-Bio), Universidade do Sul e Sudeste do Pará (UNIFESSPA), Secretaria de Meio Ambiente, Secretaria de Agricultura e Pecuária e Abastecimento de São Félix do Xingu. Programa Territórios Sustentáveis – SEMAS/PA, Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira (CEPLAC).