Notícias - Congresso da União Internacional para a Conservação da Natureza aprova moções de proteção ao Cerrado e a Amazônia - Imaflora

COMPARTILHE

Congresso da União Internacional para a Conservação da Natureza aprova moções de proteção ao Cerrado e a Amazônia

23/09/2021

Autor(a): Imaflora

O debate internacional sobre a conservação da Amazônia e o destino das políticas ambientais no Brasil ganhou um novo e importante capítulo este mês. Durante o Congresso Mundial da União Internacional para Conservação da Natureza (IUCN, sigla em inglês para International Union of Conservation of Nature), realizado em Marselle, na França, entre 03 e 11 de setembro de 2021, foram aprovadas três importantes moções relacionadas à proteção da Amazônia e do Cerrado e à crise climática.

Realizado uma vez a cada quatro anos, o Congresso Mundial de Conservação da IUCN reúne líderes e tomadores de decisão do governo, sociedade civil, povos indígenas, empresas e academia de todo o mundo, com o objetivo de conservar o meio ambiente e aproveitar as soluções que a natureza oferece para os solucionar os diversos desafios globais.

Em Marselle, os membros da entidade aprovaram moções relacionadas diretamente ao Brasil como as que apoiam metas de conservação da Amazônia para evitar chamado o ponto sem volta no bioma. O documento apela para que os membros da IUCN sustentem as metas de conservação de base territorial, com o objetivo de proteger, conservar e administrar de forma sustentável pelo menos 80% da Amazônia até 2025. 

A moção solicita, ainda, aos Estados Membros da IUCN e Agências Governamentais da Amazônia que trabalhem pelo reconhecimento e a demarcação de terras e territórios indígenas, bem como sua governança local até 2025. A participação direta de representantes dos povos indígenas no Congresso de 2021 foi fundamental para a aprovação destas resoluções.

Roberto Palmieri, representante do Imaflora na IUCN e chefe da delegação sul-americana nesse congresso destacou “O congresso reuniu organizações-membros da IUCN de mais de  160 países para um debates e busca de soluções para o futuro do planeta. O Brasil foi um dos países especificamente mais citados desde de abertura na fala do presidente da França e durante todo o congresso. O Brasil teve importância nos debates sobre conservação da natureza pela sua importância em termos de biodiversidade e para soluções no que se refere às crises climáticas. Também pela sua importância como produtor de alimentos. Conciliar sua relevância ambiental e como produtor de alimentos é possível, mas exige políticas publicas e investimentos!” 

Congresso da União Internacional para a Conservação da Natureza aprova moções de proteção ao Cerrado e a Amazônia

Participantes comemoram a aprovação da moção para a proteção da Amazônia. Foto de IISD/ENB.

Com apenas 50% da vegetação original conservada, o Cerrado ganhou uma moção que pede maior relevância do bioma em programas de cooperação e fundos ambientais internacionais. O texto faz uma recomendação aos governos da Bolívia, Brasil e Paraguai para que tomem medidas imediatas para aumentar a representação do Cerrado em suas redes de áreas protegidas e promover estratégias e mecanismos de ordenamento do território que salvaguardem a integridade biológica do bioma no longo prazo.

Outro importante avanço deste congresso foi a criação da Comissão de Mudanças Climáticas com o objetivo de mobilizar a IUCN e colaborar com seus Comitês Regionais e Nacionais e a sociedade civil em geral para reduzir emissões de gases de efeito estufa e adaptação às mudanças climáticas com base nos conhecimentos gerados pelo IPCC (relatório de especialista das Nações Unidas sobre o clima).

O Brasil conta com 26 instituições-membros da UICN que fazem parte do Comitê Nacional e se reúnem periodicamente para pensar em estratégias de potencialização de seus resultados por meio da integração entre as instituições. Todos os países da América do Sul têm instituições membros, somando 107, incluindo governos.

Razan Al Mubarak é a nova presidente da IUCN

Concorrendo com outros dois candidatos, Razan Al Mubarak, dos Emirados Árabes, é a segunda mulher a assumir a presidência da IUCN em 14 mandatos e 73 anos de instituição. Mulher e jovem, quando comparada aos seus antecessores, a eleição de Razan também é vista como um sinal positivo e arrojado dos novos rumos da entidade. A nova presidente terá um imenso desafio à sua frente especialmente no que se refere ao enfrentamento às crises climática e sanitária onde, em ambos os casos, a conservação da natureza desempenha um papel fundamental.