REGISTRO DE DENÚNCIA

POR FAVOR PREENCHA OS CAMPOS ABAIXO

COMPARTILHE



Por Bettina Barros | De São
Paulo
Não basta ter CNPJ (ou CPF),
autorização de operação e cumprir normas sanitárias para criar animais para o
abate. O mundo moderno ficou muito mais abrangente, exigente, fiscalizador e
custoso para o produtor rural. E já há quem pague por isso.
A rede varejista Carrefour e
a Marfrig, uma das maiores processadoras de carne do país, estão colocando no
mercado brasileiro a primeira carne bovina certificada pela Rainforest
Alliance, que olha para além do que a lei manda: para chegar à gôndola foram
levados em conta 136 critérios sociais, trabalhistas e ambientais ao longo da
cadeia produtiva da pecuária.
Os requisitos para a
certificação foram estabelecidos pela Rede de Agricultura Sustentável (RAS),
uma entidade internacional que congrega organizações conservacionistas e é
detentora do selo "Rainforest" - identificado por um sapinho ainda
relativamente estranho ao consumidor no Brasil.
"É uma certificação que
exige ainda mais que o Garantia de Origem", diz Paulo Pianez, diretor de
sustentabilidade do Carrefour no Brasil, referindo-se ao selo de produtos marca
própria do grupo. São desde os pontos mais básicos, como a garantia de boas
condições sociais dos funcionários e suas famílias até a redução da emissão de
gases-estufa e a implementação de práticas de bem-estar animal. A
rastreabilidade do boi é uma condição sine qua non, do nascimento à sua morte
com fazendas e plantas de abate certificadas.
A carne bovina Rainforest
será fornecida exclusivamente pela fazenda São Marcelo, em Tangará da Serra
(MT), conhecida pela expertise em produção sustentável. Serão 20 mil animais
entregues por ano à unidade da Marfrig no mesmo município, diz Andrew Murchie,
CEO da Marfrig Beef Brasil.
Neste primeiro momento, o
Carrefour ofertará oito tipos de cortes premium Rainforest em 13 lojas do
grupo. A intenção, segundo Pianez, é expandir para 40 no segundo semestre, no
Estado de São Paulo.
Segundo executivo, não foram
necessários investimentos ou ajustes para a certificação. "Para nós, o
selo reforça as ações do grupo em sustentabilidade, abre a possibilidade de
novos clientes e agrega valor à mercadoria". A intenção de Marfrig, que
diz que ainda não obteve retorno financeiro com a certificação, é expandir esse
tipo de produção - um projeto ainda em estudo. E entrar em outros segmentos, como o da
alta gastronomia. "Nunca vamos ter muito volume com Rainforest, por isso
precisamos descobrir novos nichos para atuar e agregar valor", diz Murchie.
Fonte: Valor Econômico


Imaflora

Imaflora

Compartilhar

Envie seu comentário